menteflutuante

Archive for maio 2010

@menteflutuante por @Bettosouzaa

Oi pessoal, gostaria de agradecer ao @Bettosouzaa pela ilustração feita especialmente para o @menteflutuante. Juro que me senti muito igual. \o/ Obrigadão!

Já falei sobre o Blog dele, mas vai a dica novamente http://subjetividadeematividade.blogspot.com/

Quem quiser, sinta-se a vontade para fazer uma ilustração do @menteflutuante. Eu vou adorar 🙂

Sempre com suas contribuições, o @menteflutuante escreveu um artigo para o Chico City, um portal da cidade de Franscisco Morato.

O artigo fala sobre o descaso da cidade que sofre com a falta de cultura e lazer. Se quiser ler mais sobre ele, pode acessar o site http://tinyurl.com/yfjbymz, o artigo é um tanto antigo, porém atemporal.

Tags:

Nação Zumbi

 Quando se fala em movimento mangue, logo vem à cabeça Chico Science e Nação Zumbi, um dos precursores e ícones do movimento. E não há como não pensar, afinal, esses foram grandes idealizadores e responsáveis por esse novo movimento.

O mangue é o símbolo da fertilidade, diversidade e riqueza, um ótimo nome para dar a um movimento que busca procriar um pensamento em busca de mudança social.

O movimento mangue foi mais que um estilo musical, foi uma mudança de atitude de muitos jovens que puderam perceber que ainda havia algo para lutar e, graças a esses novos pensamentos os mangueboys e as manguegirls se tornarem os caranguejos com cérebro, criando uma evolução nas artes, vestimentas, cinema, enfim, uma grande produção cultural.

Depois da Tropicália e do Rock Nacional a música mangue foi um dos últimos movimentos marcantes do Brasil com grande ideologia. Músicas com foco na miséria, caos urbano, conflitos étnicos e expansão da consciência, as letras atemporais nos fazem refletir sobre o cenário suburbano que se encontra o nosso país. E para quem nunca vivenciou ou passou por isso, pode perceber e sentir a necessidade de uma mudança social ouvindo apenas Nação Zumbi.

Uma mistura de anarquia e punk rock, música da periferia, hip hop, eletrônica e maracatu com uma pitada folclórica brasileira e uma batida eletrônica cria uma mistura infinita de som e único para nossos ouvidos.

Esse é o movimento manguebeat, com uma pitada de psicodelia podemos considerar esse um Tropicalismo pós-moderno, com uma mistura de ritmos e grandes ideologias e, principalmente as cores vibrantes que fazem a alegria do movimento que mesmo percebendo os pontos negativos da sociedade, ainda tem forças para lutar e otimismo por um mundo melhor.

Apesar da crítica à mídia manipuladora, Nação Zumbi e o manguebeat só chegaram ao topo graças à mídia de massa e, é nesse momento que percebemos que a mídia de massa também pode nos influenciar a ouvir coisas boas e refletir sobre a mensagem que é transmitida.

É por isso que precisamos viver em um mundo mais mangue, onde a consciência é livre para se expressar e entender o que acontece a seu redor. Uma consciência de atitude e pensamentos atemporais, onde uma juventude viva em uma Nação Zumbi que luta pelo bem, trabalha dignamente, não tenha preconceitos e respeita as miscigenações.

O nosso ambiente de caos é resultado de um crescimento mal planejado, ansioso e impulsivo, mas com ideias criativas e grandes percepções, o mundo mangue nos torna seres pensadores.