menteflutuante

Archive for setembro 2009

cegueira

Sem os olhos

Está tudo branco agora

Minha retina agora vê o mesmo que você

Nada.

Se me acho, na verdade estou perdida, porque já não há mais espaço para nós

O espaço é um só, e todos agora conseguimos conquistar o mesmo objetivo

Somos todos iguais!

Se encontro-me em condições sub humanas, preso pelas necessidades básicas

Roupas, relógios e sapatos já não têm o mesmo valor

Nossos instintos primários entram em ação

E se grito pedindo ajuda, é melhor calar-me

Afinal, estamos todos cegos e não há quem possa nos ajudar.

Calma, você não está cego. Passe o mouse para terminar de ler.

Escrevi este poema inspirado no filme “Ensaio Sobre a Cegueira”, em algumas cenas parecia que eu estava realmente cega.

Anúncios